Diz “Não” e Impõe Limites

by - 18:56:00



Não há qualquer problema em dizermos “não”.


Sabemos o que queremos e o que não queremos, e, pela enorme variedade de opções que existem, temos muita certeza do que preferimos e o que não nos interessa.

As escolhas desempenham um papel importante na nossa vida. Estão sempre presentes, desde que acordamos e tomamos o pequeno almoço até àquilo que fazemos antes de dormir.

Mas não é sobre aquilo que fazemos que quero falar. As decisões mais importantes que tomamos não são as nossas ações, mas os nossos pensamentos.

Há gente por aí que faz aquilo que considera o mais correto, mas que provavelmente nunca pensou realmente se era aquilo que queria.

Com uma pressão da sociedade para sermos aceites nos grupos em que estamos contextualizados (escola, trabalho, família, amigos, etc), aceitarmos é quase obrigatório.


Aquelas pessoas que dizem não são consideradas chatas, aborrecidas, sem a vontade de se esforçarem para se enquadrarem no grupo.

Se há alguma atividade escolar e tu não queres ir porque não te dás bem com os teus colegas, e dizes não, as pessoas insistem que tu vás. Isto aconteceu-me durante todo o tempo que andei na escola. Para mim, o colégio era um inferno, uma prisão que tinha de dividir com pessoas que detestava e com quem não formei qualquer tipo de laço.

Mesmo assim, quando havia alguma coisa fora do tempo de aulas e os professores me diziam que “não era obrigatório”, eu dizia que não ia e todos ficavam revoltados, mesmo sabendo que eu não me enquadrava nesse tipo de ocasiões, nem com aquelas pessoas.

Nós NÃO somos obrigados a conviver com quem não gostamos!

Toda a vida ouvi de toda a gente: ah, na vida tens de te dar com pessoas que não gostas e fazer coisas que não gostas.

Mas porquê? Quem disse que a vida é isso?!

Nós fazemos aquilo que sentimos que queremos fazer. Se na nossa cabeça nos impomos regras do tipo: tenho de me encaixar, preciso formar vínculos com esta pessoa que não gosto para subir na vida, vou a este evento porque tenho de estar sempre presente para não ser mal visto…aprisionamo-nos.

Se te aprisionas, é claro que vives numa prisão. As tuas emoções refletem os teus pensamentos, que são meras repetições do que ouviste toda a vida e que tentas viver, porque viver adequadamente traz felicidade (ou não).

Mas, se tiveres a audácia suficiente para olhar para ti, pensar no que realmente te serve neste momento, consegues distinguir exatamente aquilo que te eleva e aquilo que te põe para baixo.

Pessoas falsas ou tóxicas não têm lugar na tua vida. Quando se trata de um ambiente em que gostas de estar, com a rara exceção dessas pessoas chatas POR ACASO estarem lá, é diferente – deves focar-te no que gostas e não no que não gostas. Porém, se te forças a estar num lugar onde te sentes derrotada, aborrecida e sobrecarregada, esquece.

Vai fazer outra coisa, inventa uma desculpa, mas sobretudo decide dizer NÃO! Não ao que não queres, o que não precisas, o que não te adiciona em nada!


Primeiro, o lixo é naturalmente eliminado. Depois, ao dares prioridade ao que gostas e ao que queres, é que adquires a habilidade de ser incondicional – onde quer que estejas, estás bem, porque sabes que é ali que desejas estar naquele momento.

Cláudia

You May Also Like

0 comentários

Pages