Home » , , » A Noção de Sexualidade - O que Aprendemos é Apenas a Ponta do Icebergue

A Noção de Sexualidade - O que Aprendemos é Apenas a Ponta do Icebergue

Written By Cláudia Rocha on 25 de agosto de 2016 | 23:03:00




Sexo. O tema mais polémico, mais questionado e possivelmente odiado. É ele que nos oprime, nos torna pecadores, poluídos, sujos. É o que nos salva e o que nos condena. É ser humano e ser animal.


Mas com toda esta fisicalidade envolvida, todas as saídas à noite em busca de par, aplicações de engate, pornografia e táticas de sedução, esquecemo-nos do que é, realmente, a sexualidade. Parece que traímos a nossa parte maior como seres humanos, que é a parte espiritual.

Reduzimo-nos a criaturas insaciáveis por algo físico, viciados em prazeres estéticos, desprovidos de sabedoria milenar e recheados de flashes mentais de coisas que nem sequer são possíveis na vida real - imagens sem amor, sem intimidade. 


Sim, intimidade não é só estar nu. Estar nu é demonstrar sentimentos sem resguardos, é o dom de sermos nós mesmos até quando nos damos à pessoa amada, sem máscaras, sem táticas, sem frases feitas. Somos nós e pronto.

E quem somos nós? Somos mais do que aquilo que fomos ensinados.

Existe um registo genético que dita que somos animais. Temos o instinto de procriar. As mulheres podem escolher qualquer parceiro, os homens procuram a parceira (ou parceiro) com o físico ideal para conceber a cria.

Ancas largas e seios grandes significam fertilidade. A pornografia sabe disso.

O material divulgado e vendido em todo o lado com conteúdos sexuais aproveitou-se do instinto humano para reduzir o sexo à experimentação, à exploração da imagem feminina como um mero objeto de teste, um tubo de ensaio.

Aquilo que os homens ou mulheres entendem como uma experiência sexual agradável é apenas o regurgitar daquilo que viram neste ou naquele vídeo, nesta ou naquela imagem, a noção dita a perfeita.

Pois deixem-me que vos diga que tudo isto é treta.

Vamos parar com as ciências e estudos antropomórficos e biológicos e todos esses ramos de estudo que parecem justificar aquilo que a Humanidade entende como sexualidade.

Tudo é energia, e sexo também é energia. Não precisamos sequer dar-lhe um nome, mas podemos sentir aquilo que é. Sexo é simbiose de duas energias. É o misturar perfeito de Físico e Não-Físico. É uma dança com ritmo não-orquestrado, é a pureza do movimento inspirado.

Quando nos permitimos ser e amar-nos física e espiritualmente, como corpo e como alma, aquilo que acontece na relação sexual é o físico a convergir com a energia de amor, de existir como ser humano.

Nós somos Amor no seu estado puro. Se o deixamos fluir, o resultado é mágico. O corpo é invadido por uma corrente elétrica que trata para que tudo seja perfeito. Quando estamos recetivos a esta energia pura e verdadeira, quando estamos sensíveis ao que sentimos emocionalmente durante o sexo, experimentamos o nirvana.

Elevamo-nos espiritualmente, a nossa consciência sobe um degrau, e quanto mais o fazemos é sempre diferente, e com mais clareza conseguimos ver que somos energia num corpo físico, e permitirmos essa energia fluir ao lado de outro ser humano é uma experiência sobre-humana.

Aquilo que nos ensinaram é apenas uma ponta do icebergue. Não se deixem enganar, nem assustar. Sexo é amor, porque é a expressão do que nós somos, e nós somos a energia do amor.

Cláudia


P.S - Se vos interessa o tema Tantra e sexualidade consciente, visitem o site da Layla Martin, com artigos e vídeos sobre "Epic Sex and Legendary Love".

Layla Martin

2 comentários:

Página oficial

Subscreve à newsletter

Artigo em destaque

Como Usar a Lei da Atração: O Segredo na Prática >> PDF Gratuito

Para aqueles que querem aprender os básicos sobre a Lei da Atração e como usá-la para criar a vida que deseja, escrevi um livro que exp...

Envia-me uma mensagem

Nome

Email *

Mensagem *

Seguidores

Instagram